Assunção de Forma-Deus

Existem três importantes práticas conectadas a todas as formas de cerimônia ( mais dois métodos que discutiremos posteriormente):

       a – Assunção de Formas-Deus.
       b – Vibração dos Nomes Divinos
       c – Rituais de Banimento e Invocação.

Aleister Crowley, Liber O Vel Manus Et Sargitae

A prática mágica está conectada à criatividade, arte, e consequentemente ao teatro. Muitas das cerimônias mágicas são peças teatrais muito bem articuladas, onde os participantes representam um papel importante e as falas, gestos e movimentações são de um profundo significado. Os Oficiais da Golden Dawn representavam papéis dos Deuses Egípcios em muitas das suas cerimônias.  É comum em cultos afros os praticantes serem possuídos por seus Deuses assim como em outros cultos do êxtase, apesar dos estudiosos afirmarem que, no Candomblé, por exemplo, o Orixá não é um espírito, e sim uma divindade pessoal do iniciado, representante de uma força subconsciente, de sua ancestralidade e potencialidade. Crowley, em seu Liber O, cita a Assunção de Formas-Deus como a primeira de três práticas que o mago deve ter completo domínio.

Mas o que é assumir a Forma-Deus?

É uma técnica onde o mago irá “vestir-se” na forma de um Deus de sua escolha, irá visualizar-se como essa divindade, comportar-se e falar como Ela. Durante o tempo em que estiver “interpretando” o Deus, o mago realmente deverá ser o Deus, de todas as maneiras, até o fim do ritual (ou interpretação), a identidade do mago irá dissolver-se na imagem da Divindade em questão.

Durante a Assunção Forma-Deus, a visualização deverá ser extrema, bem como a interpretação. Logicamente que o mago deverá ter familiaridade com a Divindade em questão, deverá preparar-se para poder “entrar na personagem”, com certeza um estudo além da internet se faz necessário.

Também é necessária uma finalidade. Cada um dos Deuses possui uma série de atributos que o define, provavelmente não é interessante assumir a forma de Hefesto quando busca-se beleza. Apolo ou Afrodite seriam mais interessantes. Novamente o estudo preliminar é necessário.

E para que seve isso?

Pode parecer estranho, mas a técnica possui inúmeras aplicações e é mais comum do que pensamos. A Yoga possui asanas onde assume-se a postura de determinado Deus, atraindo para o Yogui os atributos desejados. No Candomblé a prática ganha uma roupagem especial, onde há inclusive um treinamento para a mais perfeita execução.

Com a assunção correta da Forma-Deus existe a possibilidade a atrai-se e desenvolver-se os atributos da Divindade em questão, seja para a melhora de determinado atributo da personalidade do praticante, seja para a execução de uma tarefa. Em uma palestra, por exemplo, o palestrante poderia “vestir-se” como um dos inúmeros Deuses da eloquência e comunicação. Para a realização de uma consagração de ferramenta mágica, uma espada, por exemplo, pode-se assumir a Forma-Deus de uma das Divindades artesãs ou guerreiras.

Isso é só imaginação ou realmente invoca-se o Deus?

Essa pergunta possui diversas respostas, não conseguiria explorar todas aqui. Porém, sabe-se que os Deuses são arquétipos da própria psique humana, quem veio primeiro não importa. Há nas divindades um caráter objetivo e subjetivo, uma natureza interior e exterior do próprio ser humano.

Volto ao Candomblé. Os Orixás são arquétipos representantes de forças da natureza, da ancestralidade e da natureza humana. Há uma relação direta entre os Orixás e a personalidade de seus filhos, o que é uma relação direta e subjetiva. Também há uma relação objetiva, onde através dos corretos rituais os Orixás causam mudanças na realidade. O Orixá existe dentro e fora dos iniciados, mas para sua manifestação é necessário que nasça dentro do iniciado. Aqui temos a Assunção de Forma-Deus elevada à sua máxima potência. O Abiã, não iniciado, pode até ter sua consciência tomada pelo Orixá, porém a divindade não irá se expressar, na verdade será uma experiência desagradável ao não iniciado. Quando o mesmo passa pelos rituais da iniciação, com toda sua preparação e ritualística, ele irá tornar-se íntimo desse arquétipo/divindade. Durante os 21 dias de ritualísticas, o Yawo irá aprender sobre seu Orixá, confeccionar seus assentamentos, guias e ferramentas e estará completamente voltado à aprendizagem das características desse Orixá. Todos os dias ele irá ensaiar os passos da dança do Orixá, irá tomar banhos, raspar a cabeça com o obé, sentar-se no aperê, tudo para “dar vida” ao seu Orixá. Cada ritual é para “fazer o Orixá nascer no Ori do Yawo”. Na minha visão é um treinamento extremo da Assunção de Forma-Deus, tanto que o Orixá passa a manifestar-se no corpo do iniciado através do transe, exatamente o que se busca na Magia Cerimonial, talvez com a diferença de comando. Na Magia Cerimonial o Mago não perde o controle momento algum, já nos Sirês o Yawo irá entregar seu corpo para a manifestação do Orixá.

Não é necessário um retiro tão extremo para se chegar os objetivos dessa técnica. Existem outros nuances e informações sobre a iniciação ao Orixá que não são o caso de serem tratadas aqui. Como tudo na vida e na magia, prática é necessária, atingir-se o ápice dessa técnica leva tempo e prática.

E como realizar?

Primeiramente deve-se estudar a divindade em questão, e ela deve estar em consonância com o objetivo a ser atingido.

Após é interessante que o mago prepare seu templo com os elementos de seu Deus, incenso, cores, pedras, imagens, ferramentas, tudo para tornar o ambiente propício. Com o tempo e prática somente a visualização será satisfatória, mas aos iniciantes todos os meios são valiosos. O Liber 777 é muito útil nesse momento.

O ritual não deve ser complicado, deve possuir a sequência: preparação, banimento e execução. Na maioria dos casos não há a necessidade de banir-se a Forma-Deus no final do ritual, principalmente se quiser acessa-la posteriormente, porém o bom senso é crucial.

A execução também é simples. Estando cercado de elementos afins da Forma-Deus, o Mago irá assumir postura física semelhante à de uma figura da Divindade, interessante uma figura clássica e de preferência sentada (facilita a vida). Visualiza-se o Deus em frente ao mago, em cada um dos detalhes, como se estivesse espelhando sua posição. Então o Deus levanta-se e move-se adequadamente com sua personalidade, e como nos filmes ele “incorpora” ao Mago. O Mago agora está “vestido” com a Forma-Deus, qualquer ato que for realizar será o Deus realizando. É boa a experimentação nesse momento, andar, falar, realmente interpretar a divindade, assim ele estará trazendo a mesma para si. Talvez recite um poema, faça um sigilo, realize um gesto, ou uma tarefa desejada.

Ao fim do ritual o Mago deve aos poucos voltar a ser ele mesmo, deixar de ser o Deus e tornar-se novamente ele em seu mundo profano. Pode-se “absorver” a Forma que se veste, ou vê-la saindo e desaparecendo. Essa mesma imagem pode ser utilizada em outro momento, sem ritualística, durante a vida profana, quando houver a necessidade das características do Deus em questão.

É possível de outras maneiras?

Sim é. Mas não é o caso para iniciantes assumir formas bestiais ou de ícones da cultura pop. Claro que pode-se assumir a forma do Spock para lógica e racionalidade, ou de uma besta para agressividade e destruição. Mas lembre-se que ambas as realidades, objetiva e subjetiva, consciente e inconsciente, caminham juntas, você pode estar trazendo algo de fora ou de dentro que não vai saber lidar.

Essa prática, apesar de básica, possui inúmeras finalidades e será sempre usada. Mais para frente uma técnica semelhante pode ser usada para a Criação de Corpo de Luz/Trevas e Projeção Astral. Acostume-se a visualizar os Deuses, símbolos e cores, isso vai ser muito útil adiante.

Autor: Akin

Postado originalmente no Platinorum

 

Recomendados Para Você

" />
" />

Receba os vídeos por E-Mail

    

    Últimos Posts no Blog

    O Ateísmo na Magia do Caos

    O Ateísmo na Magia do Caos

    Quando posto alguma publicação ateísta, anti-sobrenatural, ou anti-crença, é comum que apareçam pessoas que ficam surpresas. “Nossa, mas nem parece que é uma página de Magia do Caos!”. Mas o ateísmo, mesmo que seja uma fase, é uma das partes básicas propostas pela Magia do Caos, pois é essencial para controle do Mecanismo de Crenças. […]
    A Magia e as Fases da Lua

    A Magia e as Fases da Lua

    Certas tradições mágicas ou religiosas acreditam que a lua tem influência sobre a magia e que cada fase da lua tem atuação em tipos específicos de magia. Vertentes ligadas a magia planetária, bruxaria natural, cósmica ou astrológica, tendem a levar a sério as fases da lua. Embora existam diferenças em como cada vertente observa ou […]
    Sorte de Principiante e os Limites da Magia

    Sorte de Principiante e os Limites da Magia

    É muito comum que o iniciante, mesmo com a mente limitada e se comportando como um pedinte, tenha bons resultados com a magia utilitarista nas primeiras vezes. Vemos isso todos os dias nos grupo de magia, pessoas que não estudaram nada, conseguem ativar um servo astral e resolver seu problema mundano. Chamamos isso de sorte […]
    O poder está em Você!

    O poder está em Você!

    É muito comum que ao começar o estudo de ocultismo você ainda esteja cheio de crenças limitantes sobre o que pode ou não ser feito com magia, ou qual tipo de mistura pode ser feita na caotização de sistemas. Devemos lembrar que uma das partes principais no estudo de Magia do Caos é a desconstrução […]
    Teoria do Caos na Magia do Caos

    Teoria do Caos na Magia do Caos

    Algo que pouca gente fala é sobre a relação entre a Magia do Caos e a Teoria do Caos. De uns tempos para cá, principalmente com a popularização de Servos Astrais, a Magia do Caos tem se tornado muito mais mística do que realmente é. O interessante é que ela foi cunhada dentro do paradigma […]
    l

    Últimos Textos da Biblioteca

    Guia de leitura a uma das obras do Phill Hine

    Guia de leitura a uma das obras do Phill Hine

    Buscando auxiliar aqueles que iniciarem a leitura de Caos Instantâneo - ou Caos Condensado – desenvolvi um guia que esclareça o conteúdo para os mais inexperientes. Esta obra pretende resumir e explicar.
    O que é o projeto Blue Beam e o plano de dominação mundial?

    O que é o projeto Blue Beam e o plano de dominação mundial?

    Não é tão incomum assim nos depararmos com histórias estranhas de visualizações ou contatos com seres alienígenas ou aparições místicas e religiosas ao redor do mundo.
    Assunção de Forma-Deus

    Assunção de Forma-Deus

    Existem três importantes práticas conectadas a todas as formas de cerimônia ( mais dois métodos que discutiremos posteriormente):        a – Assunção de Formas-Deus.        b – Vibração dos Nomes Divinos        c – Rituais de Banimento e Invocação. Aleister Crowley, Liber O Vel Manus Et Sargitae A prática mágica […]
    Transformando a realidade conforme sua vontade: Praticantes de Magia do Caos e o uso de agências não-humanas na obtenção de resultados – Monografia – PDF

    Transformando a realidade conforme sua vontade: Praticantes de Magia do Caos e o uso de agências não-humanas na obtenção de resultados – Monografia – PDF

    Monografia apresentada ao curso de graduação em Antropologia da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito para a obtenção do título de Bacharel em Antropologia
    Os Paradoxos da Sabedoria Oculta – Eliphas Levi – PDF

    Os Paradoxos da Sabedoria Oculta – Eliphas Levi – PDF

    Eliphas Levi apresenta 7 paradoxos das ciências ocultas