RESUMO

Essa dissertação aborda a Magia do Caos, uma manifestação contemporânea do ocultismo e da tradição esotérica ocidental. A Magia do Caos (caoismo) surge no século XX, apresentando-se como uma dissidência dentro do cenário ocultista, uma vez que ela enfatiza a relevância da experiência mágica individual, em contraposição às tradições advindas das antigas ordens secretas. O objetivo dessa pesquisa é, tomando as concepções e práticas presentes na Magia do Caos como eixo descritivo, voltar à análise da magia pensando-a como um aspecto da consciência que articula distintos modos de ser, pensar e habitar no mundo, e mostrando como isso incorpora uma outra ontologia. Os rituais realizados pelos caoistas, como se autodenominam os praticantes de Magia do Caos, são feitos, em sua maioria, em âmbito individual. Devido à própria configuração do campo e à impossibilidade de acompanhar esses rituais, optei por realizar um estudo da experiência mágica e investigar a Magia do Caos de dentro. Para isso, ingressei na Jornada do CAOS, um treinamento que visa ensinar as concepções e técnicas centrais do caoismo. Além de possibilitar a inserção no campo, essa postura metodológica proporcionou um cenário mais adequado para uma análise da magia como um artifício do pensamento, que é a tese que apresento no decorrer dessa dissertação. Em conjunto, através de pesquisas de campo, realizei entrevistas semiestruturadas com os membros do Vortex, com foco nos que residem nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, fato que tornou possível investigar com mais afinco os temas e problemas levantados na pesquisa. O Vortex é uma comunidade online de caoistas que foi fundada a partir dos criadores do Vortex Caoscast, um podcast onde são discutidas questões sobre o tema. Abordo ainda como a Magia do Caos pode ser considerada como um sistema de magia pós-moderno, tendo em vista o contexto histórico social no qual está inserida. Almejei desenvolver uma experiência de pensamento e utilizar os conceitos dos caoistas como categorias para pensar acerca da magia e de como essa está atrelada a uma compreensão específica de mundo. Os caoistas possuem como princípio fundamental a noção de que existem múltiplas formas de se perceber e de se relacionar com o mundo. Seus rituais visam a desorganização das estruturas de crença pessoais e a reorganização voluntária das percepções dos indivíduos. Para eles, a existência de outras realidades e a suspensão de dicotomias entre representação de mundo e realidade, entre humanos e não humanos, entre o corpo e a mente, aparecem como propriedades do mundo e do pensamento mágico.

Palavras-chave: Magia, Magia do Caos, Ontologia, Pensamento mágico.

Clique aqui para baixar o PDF ““Nada é verdadeiro, tudo é permitido”: magia, ontologia e pensamento mágico entre os
praticantes de Magia do Caos no Sul e Sudeste do Brasil”