Ritual Gnóstico do Pentagrama – RGP

No RGP – Ritual Gnóstico do Pentagrama – primeiramente a intenção é a libertação e banimento de qualquer simbolismo pré-existente, afim de que o magista possa entrar em contato com o Self e assim obter o sucesso desejado em qualquer operação mágica.

Usos do RGP:

  • Para estabelecer o equilíbrio, concentração e controle antes e após rituais mais complexos.
  • Para praticar a visualização a qualquer momento.
  • Como um exorcismo preliminar de indesejáveis fenômenos mentais ou psíquicos.
  • Como um auxílio à cura, particularmente auto-cura.

Ele se inicia com a respiração profunda e mentalização de radiâncias em cinco centros vitais de nosso corpo (relacionados completamente com os chakras). Cada radiância é acompanhada com a vibração de uma vogal e deve causar uma sensação específica no momento de sua entoação. As vogais são vibradas como mantras no momento da exalação (técnica conhecida como pranayama) Conforme descrito em sua concepção :

O corpo deve ser tocado como um instrumento musical, com cada parte ressonando de acordo com um tom.

Realizado tal processo, deve-se traçar em sentido anti-horário um pentagrama para cada um dos quatro cantos (Norte, Sul, Leste, Oeste). Ao concluí-los, deve-se novamente voltar ao início e entoar novamente as vogais.

Segue o procedimento do ritual:

1 – Feche os olhos. Inspira de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

2 – Entoa o Mantra …iiiiiiIIIIIIIIIIIIHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz branca ou violeta na região da cabeça.

3 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

4 – Entoa o Mantra …eeeeeeEEEEEEEHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz azul na região do pescoço.

5 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

6 – Entoa o Mantra …aaaaAAAAAAAHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz verde escura ou rosa na região do tórax.

7 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

8 – Entoa o Mantra …ooooooooOOOOOMMMMMMMMMM expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz laranja/pêssego na região da barriga.

9 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

10 – Entoa o Mantra …uuuuUUUUUUUUUUHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz vermelha ou chamas vermelhas na região do seu genital.

11 – Breve pausa (segundos). Parado no mesmo local. O operador aqui pode continuar com os olhos fechados ou abri-los.

12 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

13 – Entoa o Mantra …uuuuUUUUUUUUUUHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz vermelha ou chamas vermelhas na região do seu genital.

14 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

15 – Entoa o Mantra …ooooooooOOOOOMMMMMMMMMM expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz laranja/pêssego na região da barriga.

16 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

17 – Entoa o Mantra …aaaaAAAAAAAHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz verde escura ou rosa na região do tórax.

18 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

19 – Entoa o Mantra …eeeeeeEEEEEEEHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz azul na região do pescoço.

20 – Inspire de forma completa (movimento de abdome para baixo, depois tórax expandindo e finalmente ombros para cima).

21 – Entoa o Mantra …iiiiiiIIIIIIIIIIIIHHHHHHHH expelindo todo o ar dos pulmões, enquanto visualiza uma bola intensificando luz branca ou violeta na região da cabeça.

22 – Breve pausa. Forme mentalmente (tente sempre, sem ansiedade, uma hora você irá conseguir) um pentagrama a sua frente. Abra os olhos caso estiverem fechados.

23 – Com a mão hábil segurando a adaga (ou o revolvinho com os dois dedos indicador e maior esticados, a palma da mão e polegar fechados), desenhe o pentagrama e simultaneamente entoe os mantras a seguir:

24 – O pentagrama a ser desenhado e o mantra usado em cada fase do desenho:

Desenha-se ligando os pontos com a ponta da adaga:
Ligando os pontos 1 a 2 entoa-se IIIHHH
Ligando os pontos 2 a 3 entoa-se EEEHHH
Ligando os pontos 3 a 4 entoa-se AAAHHH
Ligando os pontos 4 a 5 entoa-se OOOMMM
Ligando os pontos 5 a 6( o ponto 6 coincide com o ponto 1) entoa-se UUUHHH
Termine o desenho do pentagrama, tocando o seu centro (ponto7) e então gire 90 graus a esquerda (sentido contrario o do relógio ou anti-horário)

25 – Da forma descrita acima, depois do giro de 90 graus, desenhe outro pentagrama a sua frente da mesma forma. Repita o 1/4 de giro novamente. Desenhe novamente, Gire 1/4 novamente e desenhe novamente. Neste ponto você já terá desenhado os pentagramas nos 4 quadrantes. O próximo 1/4 de giro irá te deixar de frente para o primeiro pentagrama desenhado.

26 – Sinta os 4 pentagramas desenhados flutuando no ar.

27 – Repita os mantras, conforme descrito nos procedimentos de 1 a 22.

28 – Encerre sem pressa. Sente-se e respire. Anote as impressões que sentir no seu diário mágico.



Últimos Vídeos do Canal



Últimos Posts no Blog

Ritual Caótico do Choque de Egrégoras

Ritual Caótico do Choque de Egrégoras

O Ritual Caótico do Choque de Egrégora é essencialmente um Ritual de Assunção Forma-Deus, embora possa ser utilizado para qualquer fim que o operador quiser. O "Choque de Egrégora" no nome foi colocado para desmistificar a ideia de que egrégoras diferentes não podem trabalhar juntas, portanto o ritual não é para chocar engrégoras e sim para fazê-las trabalhar em sinergia para um mesmo propósito.
O que são Servos Astrais?

O que são Servos Astrais?

Servos Astrais podem ter os mais diversos conceitos dependendo do sistema, paradigma ou crença que você utilize. Na filosofia da Magia do Caos é convencionado que Servos Astrais são Formas-Pensamento. Diferente dos Sigilos que são apenas a representação de um intento (intenção, desejo), os Servos Astrais são representações de Habilidades, Características ou Arquétipos. Formas-Pensamentos são literalmente pensamentos que tomaram forma. Os pensamentos em […]
Contrato com Servos Astrais

Contrato com Servos Astrais

Muitas pessoas tem dúvidas sobre o tal “contrato” de ativação de servidores, mas rola uma confusão sobre a questão. O contrato do servidor é simplesmente a ficha do servidor, ou seja, ao criar o servo astral você faz o “contrato” que basicamente é a descrição das características do servidor e da forma como ele deve funcionar. No entanto […]
Ensaio sobre o EGO

Ensaio sobre o EGO

Dissecando o mecanismo do ego, para deixar de ser escravo desse mecanismo
Como criar um Servo Astral

Como criar um Servo Astral

Passo a passo de criação de um Servo Astral com seus requisitos essenciais e opcionais.


Últimos Textos da Biblioteca

A Origem do Satanismo na Maçonaria – PDF

A Origem do Satanismo na Maçonaria – PDF

Autor: Arthur Edward Waite Baixar A Origem do Satanismo na Maçonaria em PDF
A Difícil Missão de ser Ambidestro

A Difícil Missão de ser Ambidestro

A ideia de Mão Esquerda e Mão Direita vem do Vāmācāra Tantra (Tantra da Mão Esquerda) e do Kaulācāra Tantra (Tantra da Mão Direita); a primeira, diz respeito a deificar o que é comumente visto como demoníaco: “(...) comeis ricas comidas e bebeis vinhos doces e vinhos que espumam! Também, tomai vossa fartura e vontade de amor como quiserdes, quando, onde e com quem quiserdes!”; ou, como diria Menudo: “Não se reprima!”.
Anjos Fósseis – Alan Moore

Anjos Fósseis – Alan Moore

Fossil Angels é uma espécie de “ensaio-manifesto” que trata basicamente do estado da magia e espiritualidade no mundo atual, onde Alan traz críticas ácidas e contundentes a todos os demais magos e místicos, juntamente com conselhos preciosos e um otimismo implícito em relação a um possível futuro mais pleno de espiritualidade, tudo permeado com a mais fina ironia, numa linguagem por vezes rude e brutal, por vezes impregnada do bom humor britânico.
Manual da Baderna Mágicka – Magickando

Manual da Baderna Mágicka – Magickando

Manual da Baderna Mágicka é um manual prático de magia ativista feita pela galera do Magickando
Santos SÃO Servidores

Santos SÃO Servidores

Os santos católicos, assim como as entidades da Umbanda, são servidores.