fbpx

Rob Fire

Meditar com o Sigilo

Para entender como funciona esse processo leia as instruções.
X
Sigilo - Rob Fire – O Anfitrião – Servo Público - Magia do Caos
Sigilo - Rob Fire - Os Quarenta Servidores de Tommie Kelly - Magia do Caos

Rob Fire talvez seja o principal servo da noite. Da mesma forma que um anfitrião, seu objetivo é garantir que todos estejam se divertindo, até que cheguem em casa não-tão-sãos, mas salvos.

Descrição

Rob Fire talvez seja o principal servo da noite. Da mesma forma que um anfitrião, seu objetivo é garantir que todos estejam se divertindo, até que cheguem em casa não-tão-sãos, mas salvos.

Funções

• Tornar os eventos mais divertidos;
• Acrescentar uma pitada de loucura;
• Encontrar bons rolês;
• Atrair mais pessoas para o grupo;
• Estreitar os laços entre os amigos;
• Estender o tempo que as saídas duram;
• Cuidar para que todos permaneçam vivos e seguros até o fim da noite.

Reino de Influência

Festas / “a melhor noite da sua vida”

Aparência

Rob é um cara baixinho, que parece ter entre 22 a 25 anos. Cabelos curtos cacheados castanhos. Olhos verdes. Veste uma camisa azul-cinzenta, com um lenço solto sobre o peito (de um lado estampado de rosas e cerejas sob um fundo azul e do outro com um padrão de pílulas rosadas, sob o vermelho).

Modus Operandi

A primeira coisa que Rob Fire faz é causar relaxamento de tensões. Seu foco principal é a pessoa que o invocou e a turma de amigos. Se todos estiverem bem, ele vai rondar a festa e aliviar as tensões de outros. A intenção de Rob é manter o grupo afastado de qualquer dor de cabeça e preocupação, prontos para se divertir.
Em seguida, ele irá conectar o maior número de pessoas possível, a partir do grupo de amigos que inclui aquele quem o invocou. Nesse momento, todos vocês estarão em uma festa liderada por Rob Fire.
Usando a energia liberada pelo relaxar de tensões e da noite no geral, Rob Fire começará a provocar ondas de energia esporádicas para manter o grupo em movimento, enquanto atrai coincidências relacionadas a seu reino (isso pode envolver: diversão desmedida, pegação e sexo seguro, dançar até cair, bebida e drogas grátis, novos amigos, convites pra rolês absurdos e eventos aleatórios com uma pitada cômica).
Quanto mais você se aprofundar na loucura da noite, mais você permitirá que Rob Fire continue com seu trabalho. Você pode continuar energizando o servidor, oferecendo principalmente bebidas, dança e sexo; mas não é obrigatório, pois o servidor possui suas próprias formas de automanutenção.

Que variáveis eu preciso levar em conta para que ele funcione?
Dificilmente o servidor conseguirá transformar uma festa de aniversário infantil entediante em um grande evento. É claro que ele poderia unir as pessoas festeiras, construir algumas coincidências loucas, ou contribuir para que depois algo divertido aconteça. Porém, de forma geral, uma festa de crianças possui poucos elementos para o servidor trabalhar, então não espere que qualquer evento se torne a melhor noite de sua vida.
Por isso, é importante estar alinhado com o servidor para as coisas acontecerem. Se você quer se divertir e não tem nada para fazer, simplesmente saía de casa. Chame Rob Fire e escute seus sinais. Fale com estranhos, beba, abra os caminhos para que ele atraía as coincidências necessárias.

Correspondências:
Mercúrio. O Louco. Azul. Noite da Sexta-feira, Sábado, madrugada do Domingo. 23h30. Festivais e raves. Música eletrônica (especialmente vaporwave e lo-fi) e tropicália. Cerveja, vodka e corote sabores.

Senta que lá vem história
Era uma daquelas datas especiais de Mercúrio em que os artistas não têm muito o que fazer e resolvem criar datas especiais. Resolveram que na noite daquela terça-feira de tédio seria o Dia Mais Louco de Nossas Vidas e criaram o “Festival Máximo da Loucura Cósmica”. Mas queriam ser minimalistas. Não haveria nenhuma decoração inicial. Não comprariam bebida. Não chamariam ninguém para tocar.

Tudo o que fizeram foi convidar os amigos. Alguém trouxe um aparelho de som e colocaram um eletrônico suave para esquentar. Alguém trouxe ganja e logo estavam todos passando de um para o outro. Um garoto de Vênus extremamente relaxado começou a pintar mandalas coloridas no céu. A artista marciana, que até o momento transava com uma universitária no capô de sua nave espacial, achou engraçado e fez com que as mandalas girassem e mudassem de formato e tom de acordo com as batidas da música.

Enquanto isso, um cara e uma guria discutiam sobre a não-natureza do ser. Eles estavam quase começando uma briga, quando notaram os padrões no céu. Observaram por alguns instantes e então perderam o fio da não-meada. A briga, entenderam, poderia esperar. O momento não. O momento nunca esperava. Então dissolveram a raiva e a mágoa que guardavam, liberando uma enorme quantidade de energia.

Ele era psicoalquímico e ela, filosoquímica. Se entreolharam, travessos, já adivinhando o que o outro pensava. Eles formaram uma parceria momentânea, destinada ao seguinte experimento: “ A transmutação de energias liberadas por tensões não-resolvidas em vapor”. O resultado foi o descobrimento de um potente reagente, que possui um quê de relaxante, um quê de estimulante e um quê de alucinógeno; onde “um quê” é igual à exatamente o que é necessário para que se curta a noite. Não preciso dizer que foi a descoberta do milênio.

Quando os organizadores do evento deram conta, a festa estava lotada. Os amigos dos amigos trouxeram outros amigos que descobriram que já eram amigos desde o início quando chegaram a Mercúrio. E assim chamavam mais amigos de amigos de amigos, e percebiam que estes eram amigos também. Não é incrível?

Logo, fadas, deuses e criaturas incorpóreas no geral estavam bebendo, transando e dançando. Ninguém sabia quem havia trazido tanta bebida: mas lá estava ela. Bebida suficiente para todos. O mesmo pode ser dito das drogas. O Festival Máximo da Loucura Cósmica, que começara como “mais outra baladinha intergaláctica”, se tornara de repente “a melhor noite de todas”. Os convidados estavam se divertindo tanto que os deuses já começavam a atrasar o tempo para que o evento nunca terminasse.

Os segundos se tornavam minutos que se tornavam horas. Baco já havia twittado “OMGs MERCÚRIO 10/10”, atraindo mais e mais convidados, que logo eram arrastados pela energia da balada e se perdiam numa dança de beijos alcóolicos. Foi quando o tempo se demorava tanto que já era a sexta-feira da terça que aconteceu.

O Festival Máximo da Loucura Cósmica estava tão bom que se fundiu com o vapor criado pelos dois cientistas e criou vida própria, só para poder se curtir também. Ela explodiu no céu em um fogo multi-colorido que não queimava. Todos os presentes sentiram-se imediatamente conectados por uma rede invisível. E então BOOM. Uma onda energia percorreu por seus corpos como pura euforia. O fogo do céu criou uma forma e um sorriso:

— Let the party begin! — Ecoou sua voz de moço afeminado.
Quando ele desceu, era um jovem adulto. Ele tinha gentileza em seus modos, mas portava-se como um líder. Não, não era isso. Ele portava-se como um anfitrião, formado em socioarquitetura emociodélica. Andava pelos convidados, vendo se a noite agradava a todos, conversava, ria. Apresentava pessoas às outras pessoas, formava casais e distribuía drogas. Chamaram-no de Rob Fire, porque ao seu redor havia uma aura que se movia como chamas, apesar de que ela era semi-transparente e possuía cores, padrões e imagens que se alternavam.

Rob continuava criando suas ondas de energia para elevar os ânimos da galera. E quando enjoavam da música, ou do ambiente, Rob percebia. Ele trocava os ritmos, mudava a decoração das estrelas, brincava com o menu da festa.

Mas a balada chegaria a seu fim. Os convidados tinham compromissos que não podiam mais ser adiados. O anfitrião chamava taxis interestrelares e ligava para conferir se chegaram bem. Da mesma forma que sempre pedia para enfermeiros cuidassem de quem passasse mal e impediam aqueles que estavam perto da overdose de continuar com os psicoativos. Rob era bem responsável quanto às suas obrigações e garantia que a caixa de camisinhas estivesse sempre cheia.

Os que permaneceram pareciam chateados. Para eles, a noite não podia acabar nunca. E mesmo nessa ocasião, Rob sabia o que fazer. BOOM!, mais um pique de energia. Os convidados olharam, surpresos. Ele, por sua vez, sorriu, com uma bandeja de caipirinhas às mãos, enquanto o Sol crescia e diminuía ao ritmo de um lowzinho agradável:

Magick

Como usar

Chame seu nome três vezes e/ou visualize seu sigilo.
Você pode oferecer bebida para ele, se estiver bebendo — porque é grosseria não oferecer bebida aos amigos.
Ser muito específico quanto ao tipo de rolê que você quer não é muito útil, mas hey, você pode tentar. Em todo caso, esteja preparado para aceitar as aleatoriedades divertidas da noite.

Links Externos

Dê uma nota 🙂
RuimBomÓtimoFanstásticoDivino
Loading...
Arte - Rob Fire - Servidor Servo Público - Magia do Caos

Deixar Um Comentário