Logun Edé

Meditar com o Símbolo *

Logun Edé (lógunèdè) é o orixá da riqueza e da fartura, filho de Oxum e Oxóssi, deus da guerra e da água.

Dê uma nota :)
RuimBomÓtimoFanstásticoDivino (8 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...
Arte -  - Magia do Caos

Textos Complementares

Guia completo sobre Servos Astrais

Como se conectar aos Servos Astrais

Guia completo sobre Banimentos

 

Recomendados Para Você

" />
" />

Receba os vídeos por E-Mail

    Descrição

    Logun Edé (lógunèdè) é o orixá da riqueza e da fartura, filho de Oxum e Oxóssi, deus da guerra e da água. É, sem dúvida, um dos mais bonitos orixás do Candomblé, já que a beleza é uma das principais características dos seus pais.

    Rei de Ilexá,caçador habilidoso e príncipe soberbo, Logun Edé reúne os domínios de Oxóssi e Oxum e quase tudo que se sabe a seu respeito gira em torno de sua paternidade.

    Apesar de sua história, é preciso esclarecer que Logun Edé não muda de sexo a cada seis meses, ele é um orixá do sexo masculino. Sua dualidade se dá em nível comportamental, já que em determinadas ocasiões pode ser doce e benevolente como Oxum e em outras, sério e solitário como Oxóssi. Logun Edé é um orixá de contradições; nele os opostos se alternam, é o deus da surpresa e do inesperado.

    Na Nigéria, a cidade de Logun Edé chama-se Ilexa e é uma das mais ricas e prósperas da África, anualmente fazem encontros com vários festivais vindo pessoas de toda as partes da África.

    Na África negra, dizem que Logun Edé seria na verdade Ólògún Ode – o guerreiro caçador – o maior entre todos os caçadores, pai de todos eles, inclusive de Oxóssi. E se observarmos a cantiga de Oxóssi, veremos que expressão Omo ode, ou seja, filho do caçador, é constante, podendo inferir certa lógica nas histórias contadas pelos africanos, como também sua ligação com Ogun.

    Oxum Yéyé Ipondá e Odé Erinlé Ibò, respectivamente, as qualidades de Oxum e Oxóssi que se consideram os pais de Logun Edé.

    A história revela que Oxóssi, feliz pelo filho vindouro, declarou a Oxum o seu amor e pediu a ela posse do menino:

    – Oxum, por amor a você, quero que Logun Edé fique comigo, vou ensiná-lo a caçar. Comigo ele aprenderá os segredos da floresta.

    Mas Oxum também amava Logun Edé e por maior que fosse seu amor por Oxóssi ela não poderia separar-se de seu filho então declarou:

    – Logun Edé viverá seis meses com sua mãe e seis meses com o seu pai, comerá do peixe e da caça. Ele será Oxóssi e será Oxum, mas sem deixar de ser ele mesmo, Logun Edé: um príncipe na floresta e um grande caçador!

    Características dos filhos de Logun Edé

    Os filhos de Logun Edé possuem as características de Oxum, ou seja, narcisismo, vaidade, gosto pelo luxo, sensualidade, beleza, charme, elegância. Tem também características em comum com Oxóssi, ou seja, beleza, vaidade, cautela, objetividade e segurança.

    No entanto, há características de Logun Edé que não pertencem nem a Oxum nem a Oxóssi. Na verdade, ele reúne o arquétipo de ambos, mas de forma superficial. A superficialidade é a marca dos filhos de Logun Edé, porque eles, ao contrário dos filhos de Oxóssi e de Oxum não têm certeza do que são nem do que querem. As qualidades de Oxum e de Oxóssi amenizam-se em Logun Edé, mas, em compensação, os defeitos são exacerbados. Dessa forma, os filhos de Logun Edé são extremamente soberbos arrogantes e prepotentes.

    Mas algo não se pode negar: os filhos de Logun Edé são bonitos e possuem olho-de-gato, algo que atrai e repele ao mesmo tempo. São mandões, os donos da verdade, os mais belos, cujo ego não cabe em si. Melhor não lhes fazer elogios em sua presença, a não ser que queira ver sua imensa cauda de pavão abrindo-se em leque. Quando têm consciência de que conseguem controlar os seus defeitos, os filhos de Logun Edé tornam-se pessoas muito agradáveis.

    Os filhos de Logun Odé não andam! Pairam sobre o ar!

    Logun Edé pertence ao panteão dos caçadores, é único, não tem qualidade ou culto diferenciado, por isso só pode existir um iniciado numa casa de candomblé.

    Dia da semana: Quinta-feira e sábado.
    Saudação: Olorikim Logun.
    Cores: Amarelo e verde.
    Símbolos: Cavalo marinho e a margem dos rios.
    Onde recebe oferendas: Em rios.
    Principais oferendas: Axoxó.
    Elemento: Água e terra.
    Algumas ervas: Oriri, carqueja.
    Animais: Peixe.
    Comida: Axoxô (milho de galinha cozido com côco).
    Domínio: Cachoeiras, matas, florestas, rios.
    Particularidade: Rege a adolescência.

    Magick

    Axoxó:

    Para o axoxó, necessita-se de 400 gramas de camarão, 04 cebolas grandes, 06 ovos, 01 quilo de feijão fradinho, 01 quilo de milho vermelho, 01 coco, 500 mililitros de azeite de dendê e sal a gosto.

    Primeiramente, em recipientes diferentes, é preciso: cozer o feijão; cozer o milho; cozer os ovos; refogar o camarão com cebola e sal no azeite. Feito isto, é necessário acrescentar o feijão à mistura refogada e adicionar, aos poucos, mais azeite para que os ingredientes se misturem bem. Depois de pronta, essa mistura deve ser colocada no lado esquerdo de um alguidar, enquanto o lado direito deve ser preenchido com o milho vermelho cozido e frio. Por fim, devem-se pôr os ovos – descascados e com a parte pontuda para baixo – em cima do feijão e do camarão, enquanto o coco deve ser posto, de maneira uniforme, sobre o milho.

    Omolukun:

    Já para o Omolukun, são fundamentais os seguintes ingredientes: 500 gramas de feijão fradinho, 500 gramas de milho, 04 ovos, 01 cebola, azeite de oliva e lascas de coco.

    Antes de tudo, é preciso cozer, com água, o feijão, a cebola picada e o azeite. Feito isto, tem que se fazer um purê com o feijão e colocá-lo no lado esquerdo de um alguidar; o lado direito, por sua vez, deve ser preenchido com o milho – o qual deve ser cozido antes de disposto no recipiente. Por fim, devem ser postos os 04 ovos – devidamente cozidos e descascados – sobre o feijão, de maneira que a parte mais afunilada fique voltada para baixo; em cima do milho, as lascas de coco devem ser colocadas uniformemente.

     

    É importante ressaltar as quizilas de Logun Edé, para que estas não sejam oferecidas ao Orixá; as principais são: bode, cabrito, galo, manga e mel.

    

    Contrato

    
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos
    Arte - Logun Edé - Magia do Caos' alt='Arte - Logun Edé - Magia do Caos

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *